2023 deve ser o ano mais quente em milênios, diz órgão da UE

Compartilhe essa notícia

O mês de outubro foi o mais quente já registrado e, com isso, já é “praticamente certo” que o ano de 2023 entrará para a história como o mais quente dos últimos 125 mil anos, afirmou nesta quarta-feira (08) o Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus (C3S), órgão da União Europeia (UE). Até então, o outubro mais quente havia sido registrado em 2019. Desta vez, a temperatura média no mês de outubro ficou 0,4º C acima do recorde anterior, e 1,7º C acima da média no período pré-industrial – já o ano de 2023 está, segundo o Copernicus, 1,43º C acima dessa marca.

No Brasil, enquanto a seca este ano transformou paisagens exuberantes como as da Amaz?ônia  de uma forma nunca antes vista – com rios registrando níveis baixos históricos e a morte dos icônicos botos cor-de-rosa –, outras áreas no Sul e Sudeste do país continuaram a experimentar um volume de chuvas anormal, que causou prejuízos à região. No mundo, partes dos Estados Unidos e do México também enfrentaram seca severa em outubro, como na Síria onde um leito de um rio secou revelando a pior seca em anos (foto), enquanto outras áreas do globo sofreram o impacto de tempestades e ciclones avassaladores, segundo o CS3.

Foto: Reprodução / Rami Alsayed – NurPhoto – Picture Alliance)

Notícia Anterior Brasileiros aguardam abertura da fronteira com Egito
Próxima Notícia Palmeiras derrota Internacional e assume liderança do Brasileiro